Design de Interiores - Da autonomia ao escritório

Comunicação • 16/04/2019


Um dos fatores que mais atrai profissionais para o Design de Interiores é a possibilidade de ter seu próprio negócio.

De fato, esse é um caminho muito comum para muitos após iniciar a carreira e ganhar experiência na área.

Se esse é o seu plano, parabéns!

Você sabe o que é preciso para abrir um escritório?

Apesar de todas as dificuldades, o Brasil é um país de empreendedores, com uma taxa de empreendedorismo que alcança quase 40%, segundo pesquisa realizar em 2015 pela GEM (Global Entrepreneurship Monitor) e encomendada pelo Sebrae.

Não é à toa que as micro e pequenas empresas são responsáveis por quase ¼ do PIB e, também, estão entre as maiores empregadoras.

O grande problema, contudo, é que a taxa de mortalidade precoce dos novos negócios é alta: o mesmo Sebrae indica que quase 30% dos novos negócios fecham as portas no primeiro ano, de acordo com dados de estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas em parceria com o Sebrae.

E um dos principais fatores que levam a esse cenário é a falta de planejamento dos empreendedores.

Etapas básicas para abrir um escritório de Design de Interiores 

  • Monte um plano de negócios

Para abrir um escritório de Design de Interiores, obter sucesso e não entrar nas estatísticas negativas, o primeiro passo é contar com um plano de negócios.

Esse plano é o detalhamento de seu negócio e deve conter informações, como:

  • Ramo de atuação;
  • Público-alvo;
  • Produtos e serviços que pretende prestar;
  • Investimento necessário;
  • Localização;
  • Funcionários necessários.

Quanto mais detalhada essa etapa inicial for, maior clareza do caminho a seguir e como deverá agir você terá.

  • Contratar um contador

Após a elaboração do plano de negócios é importante procurar os serviços de um contador profissional para auxiliá-lo com todos os aspectos legais e burocráticos para formalizar o seu escritório.

Além de elaborar o contrato social, o contador irá ajudar com informações e funções importantes, como:

  • Regime tributário;
  • Dar entrada junto aos órgãos competentes;
  • Verificar pagamentos de taxas.

Vale lembrar que toda essa etapa exige um investimento financeiro do Designer de Interiores, tanto com relação aos honorários do profissional quanto ao custo fiscal.

  • Investimento inicial 

E por falar em investimento, é bom estar preparado para o investimento inicial em seu negócio.

Entre os fatores de maior peso no empreendedor está, sem dúvidas, o aluguel do espaço, que deve ser estudado de modo a conseguir um local estratégico e funcional para você.

Além disso, entram na conta, dentre outros:

  • Aquisição de móveis;
  • Equipamentos;
  • Softwares;
  • Outras ferramentas de trabalho.

 

  • Registro da marca

Por fim, uma questão que poucos fazem, mas que é de extrema importância é o registro de sua marca.

A marca é a cara de sua empresa. É ela que será reconhecida no mercado.

Se você quer que a marca seja de uso exclusivo de seu escritório e, assim, evitar dores de cabeça no futuro, é preciso registrá-la.

Para te ajudar com esse processo uma assessoria de marcas e patentes, caso seu contador não realize o serviço, é interessante.

Nesses casos, porém, além dos custos do registro é preciso considerar também os honorários dos prestadores de serviço.

Abrir uma empresa no Brasil não é fácil, mas, ao contrário do que muitos pensam não se trata de uma missão impossível.

Com um bom plano de negócios e com o auxílio de bons profissionais, o sonho de abrir um escritório de Design de Interiores irá se realizar.

Gostou deste artigo? Continue acompanhando nosso blog e tenha acesso a mais informações e dicas para Designers de Interiores.

Até a próxima!

Leia também
Patrocínio
ACESSO RESTRITO